Retenha seus talentos em tempos de crise

Os talentos internos da empresa sempre foram seus grandes patrimônios. Em tempos de recessão econômica, a retenção de talentos se torna um desafio e eles devem ser protegidos. A Caliper listou 11 ações que te ajudarão no equilíbrio do turnover e motivação das pessoas dentro da organização:

  1. Conheça o potencial de cada funcionário.
  2. Realize avaliações de potencial de cada um e verifique seus motivadores.
  3. Job Rotation: realoque funcionários para outras áreas em que eles possam se sentir mais gratificados.
  4. Mantenha a motivação desses funcionários.
  5. Proporcione treinamentos de  reciclagem sobre assuntos diretamente relacionados à área de atuação do profissional.
  6. Tenha um plano de cargos e salários atualizado. Todo funcionário gosta de ter uma garantia e um direcionamento de seu trabalho na organização.
  7. Valorize o amadurecimento profissional de seus colaboradores.
  8. Crie um ambiente que proporcione fontes de prazer, fazendo com que suas atividades diárias se tornem grandes momentos de energia e realização.
  9. Cuide da saúde física e mental destas pessoas.
  10. Proporcione algumas atividades fora da empresa, como reuniões em locais diferentes e de fácil acesso.
  11. Certifique-se que os gestores façam bom proveito das potencialidades dos profissionais de talento da sua empresa, eles são os líderes da equipe.

As Componentes Organizacionais para a Retenção de Talentos

Por José Geraldo Recchia

O momento que vivemos tem levado as organizações a buscarem formas de reter seus talentos. Obviamente também todos querem atrair talentos, mas vale sempre lembrar que não basta atrair profissionais com potencial de alto desempenho para a empresa se tal empresa não dispuser dos elementos necessários para manter os talentos, e motivados, na organização!

Queremos, portanto, nesse artigo, chamar a atenção para as componentes organizacionais que levam os profissionais a “pensar”, não duas, mas muitas vezes, antes de seguir carreira em outra empresa.

Se você leitor refletir agora sobre o que te mantém na empresa atual, ou quais os fatores que te fizeram “feliz” naquela organização que foi o melhor período de sua vida profissional, ou ainda, quais os parâmetros para você definir o emprego dos seus sonhos, o que te vem à mente?

Possivelmente a primeira coisa que vem à mente é um bom salário, com um amplo pacote de benefícios, porém se perguntarmos o que mais, provocando uma reflexão alguns níveis mais profundos, é provável que comecem a surgir temas como: perspectivas de carreira (isto é, até onde posso chegar nessa empresa), ambiente de trabalho (ou seja, como é o clima organizacional), cultura (que espaço tenho para criar, contribuir com minhas ideias, “deixar minha marca”), perfil do líder e dos colegas de trabalho.

Sim, tudo isto é ponderado, de forma consciente e inconsciente, quando fazemos escolhas, quando optamos por permanecer em uma determinada empresa ou ingressar em outra. E o peso dado a cada fator varia de indivíduo para indivíduo.

Pesquisas realizadas por consultorias como a Caliper demonstram que atualmente as pessoas são motivadas por uma série de fatores, que diferem para cada um, mas que são importantes componentes para a obtenção de resultados, para o alcance das metas traçadas pela empresa em direção ao atingimento do seu plano de negócios. Isto significa que além das empresas estruturarem um sistema que englobe todas as componentes citadas acima, deverão “individualizar” seus “kits” para atração e retenção de talentos! Isto mesmo, o primeiro passo será sempre conhecer cada membro das suas equipes, seu perfil e potencial e estabelecer desafios que “disparem” os motivadores de cada indivíduo. Tendo previamente elaborado um plano de cargos, salários e benefícios competitivo, que inclua alternativas de evolução nas diversas carreiras, aliado à construção de uma cultura organizacional participativa, com líderes inspiradores e estimuladores da busca de soluções por parte de cada um, as chances de reter talentos aumenta consideravelmente. Importante frisar que este é um processo contínuo, que o “cuidado” com os profissionais que geram os resultados almejados deve ser diário, tarefa árdua muitas e muitas vezes negligenciada pelo líder dos líderes, pelos líderes e gestores de “gente”!

Em artigos futuros abordaremos com mais profundidade cada uma das componentes organizacionais aqui destacadas.

Por José Geraldo Recchia, Diretor Presidente da Caliper Brasil.