As qualidades que distinguem as mulheres líderes

Voltar para a listagem
Publicado em: 05/03/2018 20:18:00


As líderes femininas são mais persuasivas, assertivas e dispostas a assumir mais riscos do que os líderes masculinos.

As mulheres líderes são mais assertivas e persuasivas, têm uma necessidade mais forte de executar ações e estão mais dispostas a assumir riscos do que os líderes masculinos, de acordo com um estudo conduzido pela Caliper, empresa de consultoria de gerenciamento baseada em Princeton, que avaliou o potencial de mais de dois milhões de candidatos e colaboradores para mais de 25 mil empresas em todo o mundo, e Aurora, organização com sede em Londres, que impulsiona mulheres e é composta por uma rede de empresárias de 20 mil membros.

As líderes femininas também foram consideradas mais empáticas e flexíveis, bem como mais fortes nas habilidades interpessoais do que seus homólogos masculinos. "Essas qualidades se combinam para criar um estilo de liderança que seja inclusivo, aberto, baseado no consenso, colaborativo e colegiado", de acordo com Herb Greenberg, Ph.D., fundador da Caliper.

"Devemos enfatizar que os líderes masculinos também foram excepcionais nessas áreas durante este estudo. Mas as mulheres líderes estabeleceram um novo padrão", acrescenta o Dr. Greenberg.
Como nota de rodapé, as mulheres líderes no Reino Unido e nos Estados Unidos compartilham perfis muito parecidos e muito fortes.

Enquanto dezenas de executivos e acadêmicos pesaram sobre o que é preciso para ser um líder efetivo, uma participante do estudo, Connie Jackson, Diretora Executiva da St. Bartholomew & Royal London Charitable Foundation, oferece uma excelente definição da função: "Liderança forte começa com a capacidade de reunir um grupo de pessoas - que podem não ter algo em comum - e comprá-los para uma visão de si mesmos como um grupo coletivo que pode alcançar resultados incomuns".

Mara Swan, Diretora de Pessoas para Molson Coors, ressalta: "Eu acredito que este estudo mostra que, para que uma mulher se torne uma líder hoje, ela tem que lutar mais contra o status quo, o que exige que ela seja mais focada e determinada".

Metodologia

Enquanto muitas pesquisas têm sido publicadas comparando os estilos de liderança de mulheres e homens, este estudo incidiu especificamente sobre as qualidades de personalidade e fatores motivacionais que estão no cerne das diferenças de gênero subjacentes.

Este estudo incluiu uma avaliação de personalidade válida e confiável, o Perfil de Caliper, bem como uma análise demográfica e entrevistas em profundidade com 59 líderes femininas de algumas das principais empresas do Reino Unido e dos Estados Unidos, incluindo: Accenture, Bank of América, Deloitte & Touche, Deutsche Bank, The Economist Group, Enterprise Rent-A-Car, Ernst & Young, IBM, International Paper, Johnson & Johnson, Kohler, Lloyds TSB, Molson Coors e Morgan Stanley.

Essas mulheres vieram de 19 setores comerciais diferentes; a maior representatividade foi Financeira (26%), seguida por 7% de Informática, Educação e Consultoria, Produtos e Serviços de Saúde e Imóveis. As idades das mulheres líderes incluíram: 30-39 anos (24%), 40-49 anos (49%) e 50+ anos (27%). A maioria (69%) das mulheres eram casadas, 5% moravam com um parceiro e 26% eram solteiras. Quarenta e um por cento tinham filhos dependentes vivendo com elas em casa.

Para fins de comparação, as mulheres líderes neste estudo foram acompanhadas por uma amostra representativa de líderes masculinos tirados da base de dados da Caliper, representando títulos de trabalho semelhantes.

Conclusão 1:

As líderes mulheres são mais persuasivas que os seus homólogos masculinos.

As mulheres líderes obtiveram resultados significativamente maiores do que os líderes masculinos no ego-drive (motivação persuasiva), assertividade, vontade de arriscar, empatia, urgência, flexibilidade e sociabilidade.

As habilidades de pessoas fortes das mulheres líderes permitem que elas interpretem situações com precisão e levem informações de todos os lados. Esta vontade de ver todos os lados de uma situação aumenta sua habilidade persuasiva.

Elas podem zerar sobre as objeções ou preocupações de alguém, pesando adequadamente, abordando efetivamente e incorporando no esquema maior do cenário quando apropriado. Essas mulheres líderes são capazes de levar os outros ao ponto de vista delas ou alterar seu próprio ponto de vista - dependendo das circunstâncias e informações que elas descobrem. Elas podem fazer isso porque realmente entendem e se preocupam com a história dos outros. Isso lhes permite chegar a um assunto a partir da perspectiva do público, de modo que as pessoas que elas estão liderando se sintam mais compreendidas, apoiadas e valorizadas.

"Os líderes masculinos que estudamos, por outro lado, tendem a começar do seu próprio ponto de vista", explica o Dr. Greenberg. "E por eles não serem tão flexíveis ou dispostos a interagir com os outros, os líderes masculinos podem tender a forçar sua perspectiva e convencer pela força de sua posição... em vez de persuadir. Os líderes masculinos que estudamos correm o risco de não necessariamente convencer as pessoas a concordarem com elas, tanto quanto pressionar o seu ponto de vista".

Conclusão 2:

Aprendem com a adversidade e persistem com a atitude "Eu vou te mostrar".

As mulheres líderes estão no meio da régua de resiliência, que era menor, embora não significativamente, do que os líderes masculinos. Mas elas possuem habilidades interpessoais mais fortes (empatia, flexibilidade e sociabilidade) e são mais assertivas do que seus homólogos masculinos.

Esta combinação de traços permite que as mulheres de nosso estudo expressem uma abordagem única para lidar com desapontamento, rejeição ou situações que não funcionam no seu caminho. Dr. Greenberg explica: "Elas vão sentir a picada da rejeição. Podem até concentrar-se nela e tendem a ser um pouco autocríticas. Mas elas vão reunir sua assertividade, sacudir quaisquer sentimentos negativos, aprender o que precisam para continuar e uma voz do seu inconsciente vai dizer: 'Eu vou te mostrar'".

"Com as mulheres, é tudo sobre confiança e ajudá-las a acreditar que elas podem fazer o que quiserem. E elas não precisam mudar para ter sucesso. Encontro-me orientando mulheres aspirantes jovens e dar-lhes um impulso para superar a cobrança deixando de ser tão dura consigo mesmas“, diz Kate Rutherford, sócia da Accenture.

Libby Sartain, vice-presidente sênior de recursos humanos no Yahoo! Inc., diz: “Se eu cometer um erro, eu posso ser dura comigo mesma inicialmente, mas eu rapidamente me mexo para descobrir como ir além da situação. Não deixo isso prejudicar minha confiança. Na verdade, às vezes, quando estou sendo pressionada, o melhor em mim sai".

Dr. Greenberg acrescenta: "Essencialmente, quando uma mulher tem o talento e a ambição de avançar, ainda assim ela recebe sinais - sutis ou abertos - que outros pensam que ela não perceberá, isso pode impulsionar sua ambição ainda mais".

Conclusão 3:

Um estilo de liderança inclusivo e de construção de equipe de resolução de problemas e tomada de decisão.

Enquanto os líderes masculinos demonstram bons níveis de empatia, flexibilidade, sociabilidade e urgência (uma necessidade de fazer as coisas imediatamente), as mulheres líderes obtiveram pontuações significativamente maiores nessas áreas. Líderes de ambos os sexos compartilhavam níveis bem acima da média de raciocínio abstrato e orientação de ideias. Curiosamente, as mulheres líderes eram mais baixas do que seus homólogos masculinos com rigor.

"As mulheres têm uma maneira mais inclusiva de liderar", afirma a senadora americana Barbara Boxer, que participou do estudo. "Tentamos trazer mais pessoas com a gente".

As mulheres líderes que estudamos estavam mais interessadas em ouvir todos os pontos de vista para tomar a melhor decisão possível. A decisão final não necessariamente deveria ser o seu ponto de vista inicial. Elas foram capazes de interpretar as situações com precisão e receber informações de todos os lados e, em seguida, tomar a decisão mais informada possível.

A diferença de estilos de liderança entre homens e mulheres começa com a escuta. Não apenas ouvir a sua resposta, mas realmente ouvir, aprender, refletir e implementar um plano que incorpore as melhores ideias de todos.

Esse estilo inclusivo de liderança baseia-se em linhas abertas de comunicação, de acordo com Susan Rice, Diretora Chefe da Lloyds TSB Scotland. Ela diz: "Para aprender, você tem que continuar perguntando. Trata-se de fazer perguntas. As pessoas com quem eu trabalho dizem que meu processo de fazer perguntas ajuda-os a esclarecer seu próprio pensamento que realmente saem um pouco mais nítidos. Isso requer muita confiança. Meu trabalho, como eu vejo, é estabelecer uma estratégia clara, fazer as perguntas certas e encorajar nossos gerentes a serem especialistas em seus negócios ".
Como as mulheres líderes estão mais dispostas a compartilhar informações, elas também conversam com mais pessoas do que seus homólogos masculinos.

Dr. Greenberg especula: "Este estilo inclusivo de liderança, incorporando fatos e perspectivas a partir de tantas fontes quanto possível, posiciona as mulheres líderes idealmente para o futuro, à medida que a era da informação continua a evoluir".

Conclusão 4:

As líderes femininas são mais propensas a ignorar as regras e se expor a riscos.

Os líderes das mulheres obtiveram resultados significativamente menores do que os líderes masculinos na estrutura externa (aderindo aos procedimentos estabelecidos) e cautela. Elas também foram significativamente maiores em seus níveis de urgência e tomada de risco e ainda possuem pontuações muito altas em raciocínio abstrato.

As líderes das mulheres são mais propensas a recuar quando estão excessivamente vinculadas por regulamentos e regras, se envolvendo em mais riscos e criando soluções inovadoras.

De acordo com Connie Jackson, Diretora Executiva da St. Bartholomew e da Fundação de Caridade Royal London, “Como líder, há momentos em que você precisa se arriscar indo em uma direção que ninguém jamais havia tomado. Você só tem que dar o primeiro passo e seguir o caminho que você acha certo."

Elas tendem a ter uma maior necessidade de executar ações do que os líderes masculinos e são menos propensas a hesitar ou a se concentrar nos pequenos detalhes.

Dr. Greenberg diz: "As mulheres líderes são aventureiras, menos interessadas no que foi do que no que pode ser. Elas correrão o risco de ocasionalmente estar errada para fazer as coisas. E com suas excelentes habilidades de raciocínio abstrato, aprenderão com todos os erros e continuarão".

As mulheres estão criando um novo paradigma de liderança?

A resposta pode ser "sim".

“Muito do que é preciso para ser um líder tem sido historicamente definido pelos homens”, explica Libby Sartain do Yahoo! Inc. "E, enquanto eu estava determinada a ser uma líder, a última coisa do mundo que eu ia fazer era tentar ser como um homem para que eu pudesse ser levada a sério. Eu tive que continuar sendo eu mesma e criar um estilo de liderança que funcionasse para mim. Eu não sou capaz de ser alguém além de quem eu sou".

Este estudo fornece evidências preliminares de que as mulheres trazem personalidade distinta e forças motivacionais para a liderança. Elas têm uma abordagem aberta, consensorial e coletiva para liderar.
Dr. Greenberg acrescenta: "Essas mulheres líderes compartilham um perfil forte. Elas são assertivas, persuasivas, empáticas, dispostas a assumir riscos, extrovertidas, flexíveis e têm a necessidade de fazer as coisas".

Ele conclui: "Essas qualidades de personalidade se combinam para criar um perfil de liderança que é muito mais propício para o local de trabalho diversificado de hoje, onde a informação é compartilhada livremente, a colaboração é vital e o trabalho em equipe distingue as melhores empresas".

Jeannette Lichner, Diretora Gerente do Bank of America, diz: "O forte perfil de liderança exibido por essas mulheres em ambos os lados do Atlântico aponta para o futuro. A visão feminina de que nos fortalecemos fortalecendo outros irá redefinir a liderança".

"Estamos olhando para um paradigma diferente de liderança que desempenha naturalmente os pontos fortes das mulheres", diz Regina Sacha, Vice Presidente de Recursos Humanos da FedEx Custom Critical. "A maré virou. As habilidades de liderança que são natas das mulheres são agora absolutamente necessárias para que as empresas continuem a prosperar. É certamente o inverso de como foi quando eu comecei no local de trabalho. Parece uma justiça poética".

Para saber mais sobre como o Caliper pode ajudá-lo a identificar e desenvolver pessoas que podem levar sua organização ao melhor desempenho, preencha o formulário abaixo.


Voltar para a listagem