O que é sucesso? - Terceira Parte

Voltar para a listagem
Publicado em: 11/09/2013 10:17:00

Senadora Barbara Boxer disse que, para ela, sucesso é ter seu próprio senso claro do que é importante, o que é certo, e o que ela precisa fazer. “Nem sempre eu tenho sucesso, se isto significa apenas realizar o que eu quero. Mas posso me sentir bem sucedida apenas por ir adiante em minha agenda. Tenho uma força interna que me ajuda a ver a coisa certa a ser feita. Todos nós passamos por este mundo em tão pouco tempo, e se você não vai fazer o que é certo, se não será corajoso, então você realmente não merece a confiança do outro. Para mim, ser bem sucedido é ser verdadeira a mim mesma. Posso não ganhar sempre, e ultimamente eu realmente não ganho. Mas ainda estou tendo sucesso em meus próprios termos. Tudo que posso fazer é ser fiel a mim mesma”.

Ela foi a única senadora a questionar formalmente a vitória do Presidente Bush na segunda eleição, o segundo questionamento desta natureza em uma eleição presidencial desde 1877. A Senadora Boxer se juntou à Representante Stephanie Tubbs Jones (D-OH) em objeção à certificação dos 20 votos eleitorais de Ohio, citando sérias irregularidades de votação no estado.

“Você não precisa vencer para ser um sucesso”, ela continuou. “E algumas vezes você pode até mesmo vencer perdendo, se estiver se posicionando por aquilo que você sabe que é certo. Às vezes você vence apenas por aceitar a briga. Existem tantas medidas diferentes de sucesso”, ela conclui, “mas uma coisa se pode dizer com certeza, é que o sucesso se torna claro quando você consegue ouvir o seu aplauso interior”.

Para aqueles que acreditam que sucesso pode ser medido apenas por quanto dinheiro você tem, Fariborz Ghadar, Ph.D., um consultor internacional que foi nomeado uma das 10 maiores estrelas de Finanças pela Business Week, pode clarear este mal entendido.

Ele foi vice-ministro de finanças no Iran, um membro do gabinete do shah, responsável por identificar oportunidades de investimento globais em um país que tinha mais dinheiro do que sabia gastar. Ele viajava a praticamente todas as nações do mundo, recomendando que o dinheiro do petróleo do Iran fosse investido em tudo desde castanhas até tapetes Persas.

Então veio a revolução.

Ele não fazia a menor idéia do que iria acontecer.

“Você pode estar no centro destes eventos e não os ver de verdade”, ele disse. “Prédios estavam sendo queimados, havia rebeliões nas ruas, pessoas estavam sendo assassinadas, e eu estava dizendo, ‘Isto vai passar. É só uma daquelas coisas temporárias.’ Então minha esposa me ligou de Londres e disse, ‘Rápido, ligue a CNN. É hora de ir embora’. Enquanto ela tentava me convencer de que eu não estava vendo toda a situação, balas entraram em nosso escritório. Estávamos no último andar, o sétimo, e balas voavam por todo lado. Então concordei que talvez eu devesse sair dali. E saí. Foi um dos momentos de revirada em minha vida”.

“Quando cheguei ao aeroporto, tentei trocar o dinheiro iraniano que tinha e era bastante. Me dariam apenas um quinto de seu valor real. ‘Esqueçam’, eu disse, ‘Voltarei em algumas semanas. Ficarei com meu dinheiro’.”

Mas este dinheiro não era a única questão. Era extremamente difícil conseguir um avião para fora do país. Felizmente seu pai, que era embaixador no Jordão, conseguiu colocá-lo em uma linha aérea Jordaniana. De lá ele conseguiu voar para Londres.

Ele tentou trocar seu dinheiro no Jordão, e desta vez ofereceram apenas um décimo de seu valor. Mais uma vez ele disse, “Esqueça. Guardarei meu dinheiro até que isso tudo acabe”. Quando chegou a Londres, apenas algumas horas depois, seu dinheiro não valia absolutamente nada. Ninguém o queria a preço nenhum. “Ainda tenho vários bolos daquele dinheiro. Guardo em uma gaveta. Ele me lembra de quão pouco o dinheiro realmente vale e quão transientes estes valores realmente são.”

Fariborz aprendeu que sucesso tem menos relação com o que você tem do que com seu conhecimento de si. “Eu sempre me orgulhei de poder ver o que acontece à minha volta,” ele explicou. “Mas aprendi que quando você está no meio daquilo, às vezes você não vê, independente de quão brilhante você seja. Muitas vezes você precisa dar um passo para fora da situação para saber o que realmente está acontecendo. Esta foi uma lição valiosa pra mim – ainda mais valiosa que o dinheiro que perdi, que era basicamente tudo que eu tinha”.

Por Patrick Sweeney e Herb Greenberg, CEO e Fundador da Caliper

Voltar para a listagem