Habilidades contam - não incapacidades

Voltar para a listagem
Publicado em: 05/11/2013 08:12:00

Por Herb Greenberg

Uma fonte de talento raramente pensada é a comunidade de pessoas com deficiência. Como é tentador colocar automaticamente uma pessoa com deficiência em um mundo apertado de deficientes. Coloque-as em uma oficina realizando alguma tarefa servil, e nós sentimos que fizemos algo certo por eles. Por favor, entenda que eu não estou de nenhuma maneira minimizando o excelente trabalho que muitas oficinas são oferecidas aos deficientes. Na verdade, muitos milhares de pessoas com deficiência têm sido ajudadas enormemente por pessoas dedicadas que trabalham em vários estágios dessas oficinas. Incontáveis ​​vidas foram salvas, e as pessoas tornaram-se membros contribuintes da sociedade. O que estou sugerindo, no entanto, é que devemos olhar para as pessoas com deficiência da mesma forma como olhamos para qualquer candidato de emprego em potencial para determinar não o que eles não podem fazer, mas o que, de acordo com suas peculiaridades, eles podem fazer.

Eu mesmo sofri enormes pressões nesta área. Quando fiquei cego aos dez anos de idade, meus pais tiveram que lutar muito para me manter no fluxo principal e me dar a oportunidade de mostrar o que eu podia fazer. Eles se recusaram a me enviar a uma escola para cegos, porque não queriam que a minha cegueira me definisse. O que estou sugerindo aqui é que, entre os chamados deficientes, pessoas que não podem andar, que são cegas, surdas, etc, são os indivíduos que são mais do que capazes de contribuir de forma importante para a força de trabalho da empresa. Este grupo pode produzir menos salva-vidas no mar de desemprego do que pessoas idosas ou membros de sua força de trabalho atual. No entanto, elas não existem. Há pessoas com deficiência que podem fazer muitos trabalhos. Mais uma vez, a questão é olhar para o que a pessoa é, não o que elas não são. Colocando em termos simples, você não precisa andar para falar ao telefone, você não tem que ouvir bem para pintar, ou você não precisa ter uma boa visão para negociar um contrato. O que conta é o que você tem e como essas qualidades se combinam com as competências necessárias para um determinado cargo.

Tudo se resume à mesma coisa. Dê a alguém o mesmo ponto de equilíbrio – julguem eles pelo o que eles podem fazer em vez de se concentrar em qualquer preconceito relativo à sua idade, deficiência, ou antigo trabalho e dê às pessoas as oportunidades reais que deveriam receber. E oh, sim, a propósito, damos às nossas empresas a oportunidade de empregar melhor as pessoas para que possam prosperar em benefício de seus empregados e seus acionistas, e consequentemente, toda a sociedade. Eu acho que, no final das contas, eu estou gritando "justiça é um bom negócio".

por Herb Greenberg, Fundador da Caliper & CEO

Voltar para a listagem