Os detalhes que fazem diferença

Voltar para a listagem
Publicado em: 16/07/2013 09:31:00

Quando empresas passam por algum momento de dificuldade, na maioria das vezes, o problema é consequência de algo do passado, algo que se fez errado ou que se deixou de fazer. Mesmo que algumas vezes seja possível prevenir-se, a maioria das pessoas prefere esperar pelo momento exato em que as coisas acontecem para, então, agir e resolver o problema.

Mas o que poucos sabem ou dedicam atenção é que, justamente com objetivo de preparar a empresa para questões de ordem estrutural, que começam pequenas e tornam-se grandes obstáculos, é que existem programas específicos relacionados à Gestão Organizacional como: Pesquisa de Clima, Plano de Cargos e Salários, Mapeamento de Competências, Organização do Sistema de Recrutamento e Seleção, Programa de Identificação do Perfil Ideal, Planejamento de Carreira e Planejamento de Sucessão. Simples programas, mas com importância plena para a sobrevivência e desenvolvimento da organização.

Quando uma empresa, por exemplo, não está contratando ninguém para seu time de colaboradores, parece desnecessário um programa que auxilie no processo de recrutamento e seleção, porém quem garante que o colaborador de hoje estará na organização amanhã?

E se aquele alto executivo da empresa acaba de pedir demissão porque acredita ter conseguido uma melhor colocação ou está na hora de se aposentar... quem ocupará o seu lugar: uma pessoa da própria organização, já condizente com sua cultura? Ou, alguém de fora, geralmente um executivo caro e de “sucesso” no mercado, mas que precisará de alguns longos meses para conhecer melhor o espaço organizacional e, quem sabe depois, concordar com as metas e valores da empresa? A primeira opção é a mais acertada, porém se a empresa não pensar antecipadamente nesta possibilidade, não se preocupará com um Planejamento de Sucessão e, assim, aquele bom e fiel colaborador com potencial para assumir um cargo de alto nível, não terá sido preparado e desenvolvido para desempenhar a função.

Bem, tudo isto é relativo..., às vezes, coisas inicialmente consideradas erradas podem dar certo, mas quem gostaria de apostar o futuro de sua própria empresa ao acaso? Por isto, os líderes devem provê-las e têm a obrigação de estarem preparados para resolver com tranquilidade os problemas organizacionais que surgem a todo o momento.

É certo que gastos fora de época não são positivos para a saúde financeira, mas esta fé de que “no futuro tudo dará certo” pode sair bem mais caro. Serviços de consultoria que podem salvar a empresa de crises futuras, quando procurados antes destas situações ocorrerem, são mais baratos e podem ser pagos através de um planejamento financeiro. Já em momentos de maior precisão, seu valor poderá parecer mais caro além de se configurar como um gasto a mais não previsto pela contabilidade.

O próprio ditado diz e confirma em diversas situações que: prevenir-se é o melhor remédio. “Apagar incêndios” além de passar a ideia de trabalho mal feito, não oferece nenhum tipo de planejamento e, muito menos, garantias de que os resultados serão eficazes.

Portanto, munir a empresa com ferramentas de Gestão Organizacional permite que seus gestores estejam preparados para melhor administrar a performance dos seus colaboradores. Este investimento certamente possibilitará à sua empresa economia de tempo e de recursos, se comparado a ações e tomada de decisões não planejadas.

Voltar para a listagem