Planejamento de Carreira

Voltar para a listagem
Publicado em: 03/05/2013 10:39:00

Quando se fala em planejamento de carreira, surgem aquelas velhas dicas como pegue um papel e anote o que você quer para si daqui a um, cinco ou dez anos. Você anotará onde quer chegar e como vai chegar lá. No entanto, antes de lançar mão do seu planejamento é preciso ser franco, realista e o mais importante: se auto-conhecer.


Parece simples quando nos conhecemos e sabemos realmente o que nos motiva, porém, para muitos decidir o que quer para si pode ser especialmente difícil. Seja por falta de conhecimento ou vaidade, colocar em "xeque" seus pontos fortes e a falta de habilidade em algumas atividades nem sempre é uma das tarefas mais fáceis ou agradáveis.


Realmente, é necessário não apenas honestidade, mas também coragem para enfrentar seu verdadeiro "eu".


Como dizia um antigo professor, "somos aquilo que podemos ser", ou seja, não devemos nos enganar planejando algo que não estamos preparados para ser, é preciso maturidade para olhar o próprio reflexo e entender o que valorizamos em nossa vida e as reais habilidades que possuímos.


Comece procurando aquelas lembranças escondidas na memória, sim, aqueles feedbacks que recebeu ao longo da vida, principalmente aqueles que se repetem, como por exemplo: "Você leva jeito para convencer as pessoas", ou então, "você é um ótimo negociador". Essas são pistas para descobrir quais são os seus pontos fortes e quais não são. Porém, não se sinta rotulado, procure outras alternativas de auto-conhecimento.


Busque por uma orientação que pode ser de um amigo, ou se preferir um estudo mais profundo, procure uma empresa especializada em análise de perfil, que apresentará de forma precisa as suas áreas de desenvolvimento e os seus pontos fortes, permitindo que aproveite e utilize a seu favor as habilidades já existentes além de orientá-lo a desenvolver outras habilidades para que atinja seus objetivos.

Seja qual for a sua escolha, não deixe de fazer esta revisão do seu "eu", pois sem ela será muito difícil "casar" seus motivadores com o que você deseja para sua carreira nos próximos anos.


Se descobrir que está no caminho errado, não sinta receio em começar de novo, porque para aquele que não sabe aonde está indo qualquer lugar serve, e com certeza não é isso que você deseja para sua carreira e para sua vida.

Começar de novo não é visto pelas empresas como indecisão, mas como busca pela satisfação profissional. Todos conhecemos profissionais que já foram induzidos a escolher uma profissão supostamente promissora, numa tentativa de atender aos anseios alheios e do mercado, esquecendo-se dos próprios sonhos e desejos, resultando em um dos grupos que mais cresceram nesses últimos anos: os que não gostam do que fazem.


Já o fato comprovado que fazemos bem aquilo que nos dá prazer e não é à toa que surgiu aquela famosa frase: "Faça aquilo que você gosta e jamais trabalhará um único dia sequer na vida", ou seja, a curto prazo podemos realizar bem as tarefas das quais não gostamos, mas qual o efeito que isso pode ter em sua carreira a médio e a longo prazo?


Lembre-se que por maior que seja a sua pressa em definir o que fazer ou o que estará fazendo daqui há alguns anos, é fundamental esse auto-conhecimento para então iniciar o seu planejamento de carreira. Planejar em cima de fatos irreais pode resultar em fracasso, perda de tempo e energia.


Voltar para a listagem